(Des) Construindo Uma Personagem, por LM Gomes.

wallup.net
wallup.net

Desde os primórdios da humanidade, o ser que se digna a ordenar ideias, ensinamentos, histórias, devaneios, o que seja, em um papel, se caracteriza como um “deus do intelecto”, “grande sábio das palavras”, “o cara”, ou simplesmente: Escritor. Obviamente não vou me aprofundar em méritos do que é ser ou não, de fato, um “sabedor” do faz de conta. Minha simples ideia – que ordeno aqui nesta folha – é devanear sobre o mundo – por vezes oculto – de quem se arrisca a colocar para fora os seres que habitam o imaginário. Exemplificando, claro, o meu.

Acredito que a pergunta que mais ouvi/li/respondi nesta minha curta jornada como escritora profissional seja esta: Como criar um personagem/ história?

Há aquele manual que diz que para criar, você precisa ter a técnica exata, fumar um cachimbo – serve charuto também – e/ou ainda, morar em uma casinha recolhida nas montanhas com um tinteiro e pena em punho. Não que tudo que citei não seja válido, porém, o cenário mudou muito. O tempo mudou muito.

Particularmente, eu não acredito em uma fórmula. Aqui sempre funcionou no improviso, no: “ah meu Deus, que ideia louca, preciso por no papel!”. Sempre partiu da inspiração. Do sentir o que se materializou na minha cabeça. De ser um pouco esquizofrênico, ouvir o que aquela pessoa que, minutos antes não existia, tem pra contar. E, sinceramente, acho que isso se repita com muita gente. Não uso roteiros específicos, acredito piamente que as personagens que me acompanham no desenrolar de uma história, têm vida, logo, são independentes (da minha vontade), não podem ser controlados. Mas, alguns passos, com toda certeza ajudam…

Construir uma personagem demanda tempo, paciência (muita!) e bom senso. Criar um elo entre personalidade e percepções, dando liga em tudo isso para mostrar para quem lê que é sim, com toda certeza, real. Aquela pessoa existe naquelas linhas. Você a acompanha por um período de sua existência. E você se apega, você chora, sente raiva, vivencia de fato aqueles momentos. É dolorosamente deliciosamente real. E louco, ao mesmo tempo.

Gosto mesmo quando a mágica acontece, quando você percebe que pode ser um milhão de coisas, viver vidas diferentes, só usando letrinhas em um papel. E neste quesito, nesta parte em especial, não há nada de exato. Por isso sempre gostei de humanas…

Sinceramente, me pergunto como se criava qualquer coisa antes do café com leite desnatado, pois, para mim, a questão que fica é: como era possível haver coerência sem a combinação perfeita supramencionada?

 

LM Gomes, é aquariana e acredita que na verdade é uma personagem em um livro escrito por alguém que mora em um chalé, nas montanhas, mau humorado, e que não gosta de café.

Saiba mais sobre ela: www.lmgomes.com

2 thoughts on “(Des) Construindo Uma Personagem, por LM Gomes.”

  1. Acredito que cada um tem um “dom”. Alguns ainda não descobriu qual o seu. E ser escritor não é para qualquer um. Isso para mim é dom. Vc nasceu para isso. A sua escrita flui. É maravilhoso e gostoso de ler. Não é à toa que sou sua fã. Que adoro seus livros. Obrigada por nós proporcionar desse seu talento. Obrigada por nós fazer viajar nesse mundo maravilhoso, o literário. Te adoro LM Gomes. Você merece todo sucesso e reconhecimento. Bj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *